sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Poesia para acalmar a alma

Hoje acordei pensando em Bauldelaire e procurei incansavelmente na internet um poema que refletisse o que estou sentindo no dia de hoje. Custei a achar um que me agradasse. Navegando por mares nunca navegados, dei de cara com o blog de um "coleguinha", muito conhecido do público brasileiro, o jornalista Jorge Pontual. Além de correspondente em Nova York, ele é um estudioso de Charles Baudelaire e já traduziu vários poemas, não só dele como de outros nomes da literatura. Edgar Alan Poe, Ian McEwan, Shakespeare, entre outros nomes consagrados estão lá, em prosa e verso.
Dentre tantos poemas lindos, o que me tocou especialmente, pelo dia de hoje, é da poetisa Elizabeth Bishop, que por muitos anos morou na cidade em que moro atualmente: Petrópolis.

Uma arte

A arte da perda é fácil ter;
por tanta coisa cheia de intenção
de ser perdida não dá pra sofrer.

Perca algo todo dia. Perder
chaves aceite, junto com a aflição.
A arte da perda é fácil ter.

Treine perder muito sem se deter:
lugares, e nomes, a comichão
de viajar. Nada fará sofrer.

Perdi jóias da mamãe. E dizer
que perdi casas que amei de paixão.
A arte da perda é fácil ter.

Perdi duas cidades. E o prazer
de um continente na palma da mão.
Sinto falta mas não dá pra sofrer.

- Até perder você (a voz, o ser
que eu amo) não devia mentir. Não,
a arte da perda se pode ter
embora pareça (diga!) sofrer.

Tradução, Jorge Pontual

Um comentário:

Andréa N. disse...

O Blog do Jorge é bem legal, fazia tempo que eu não passava lá. E esse poema é lindo.