sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Sabores da infância




Estamos no inverno e em plena época de morangos...que por sinal é uma das minhas frutas preferidas.

Gosto de morango de todos os jeitos. Em sorvete, picolé, suco, calda, torta, com leite condensado, in natura, ou com creme de leite batido até virar chantily. Sou devoradora de morangos... e acho que isso vem desde cedo.

Sou filha de alemão com brasileira e meu pai sempre nos levava para férias na Alemanha para rever os parentes, passear e conhecer a cultura européia. Minha descoberta com os morangos se deu neste período. Meu pai adorava nos mostrar coisas típicas e tradicionais do país, e curtia pegar o carro e sair sem rumo (pra mim era assim) por aí. E lá íamos nós conhecer igrejas famosas, cidades medievais, mercados tradicionais, feiras livres, etc, etc...

Fazíamos passeios pelas florestas para colher cogumelos comestíveis, que depois minha avó preparava com mateiga de ervas. Hummmmm, só de falar fico com água na boca. Ela sempre ia conosco pela floresta, que era bem perto de sua casa. Parece até história de chapeuzinho vermelho, mas é sério. Bem próximo a casa dela havia um parque com acesso às florestas. Tudo bem sinalizado e seguro. Mas como ela conhecia bem aquilo tudo, arriscávamos enveredar por outros caminhos ainda desconhecidos. Lá conhecemos de perto as marcas da guerra. As "crateras" provocadas pelas bombas, apesar de antigas, permanceiam intocadas...apenas os musgos floresciam em seu interior.

Andávamos quilômetros para ver plantações de aspargos e de morangos, ou simplesmente pelo prazer de caminhar...
Enfim, nossas férias eram cheias de novidades e informação. Amava...

Posso me lembrar nitidamente do primeiro dia que meu pai me levou para colher morangos do próprio pé. Era uma plantação em que o dono cobrava um preço fixo por quantos morangos a gente conseguisse pegar. Eu corria por todos os lados e não sabia qual escolher. Eram tão bonitos, cheirosos e saborosos, que cada um parecia melhor que o outro. Uma catarse! Fiquei correndo entre os morangos, que nem sabia o que fazer.

Depois desse dia, não consegui mais abandonar os morangos em minha vida. Também pudera...
Hoje, gostaria de poder proporcionar este tipo de vivência para os meus filhos, mas infelizmente, ainda não encontrei nenhuma plantação por aqui. Quem sabe no sul do país tenha, sei lá. Ou melhor, vou programar uma viagem a Alemanha para realizar este sonho.

Tenho muito mais recordações de cheiros e sabores da minha infância. Outro dia conto mais...


Um comentário:

Julia disse...

Que linda recordação, Andrea! Linda mesmo!